sábado, 3 de outubro de 2015

VENHA UM NOVO DIA!

Amanhã não sei como vai estar o tempo, dizem que pode chover, pode ser, mas deve ser uma íntima chuva e não como aquela que choveu em Santiago, haverá sempre uma nesga de sol par romper as núvens, que são densas e perigosas, e nos aquecer os corações com horizontes de esperança. Hoje, um amigo meu, olhou para o céu e tranquilizou-me:
-- O ar está limpo!
Espero bem que sim e que não haja borrasca, esperemos que se confirme aquela sentença que diz que o povo não é estúpido e possa gozar, no futuro imediato, uma realidade solar de novo tipo, em que a felicidade humana se sobreponha ao concreto dos dias, às vezes com tantas nuvens negras, tantas horas sombrias, tanta desdesgrassas nos quotidianos assassinadas.
É por isso que, como nos tempos antigos, apetece pedir uma matinal canção. O meu amigo, à despedida, voltou a tranquilizar-me:
-- Está um lindo dia! Olha o sol que vai nascendo... -- e trauteou baixinho a canção do Zeca. 
Eu sorri e respondi-lhe coma a trova do tempo que passa do Manuel Alegre, cantada pelo Adriano: 
-- "Há sempre alguém que resiste/ há sempre alguém que diz não"!
Agora, o sol ilumina o Outono. E tudo parece diferente: árvores, casas, serras, as folhas velhas e apodrecidas caem inelutavelmente, há um chão de cores por todo lado, o tempo renova-se, a mudança está aí. Venha o novo dia,, com a luz toda da esperança!

Sem comentários:

Enviar um comentário