sábado, 12 de dezembro de 2015

CATA-VENTO, DISSE ELE...

O exercício da hipocrisia na política é coisa tão antiga, que se reproduzem nessa prática verdadeiros artistas, que todos os dias nos espantam pela capacidade de dizerem uma coisa e o seu contrário, sem corarem de vergonha e apenas com a determinação de defenderem a manutenção dos  interesses de que o Poder é garante. Esse percurso sinuoso é feito com um cinismo que se banaliza no calendário político, como a coisa mais natural do mundo. 
Exemplo recente dessas manigâncias relciona-se com o apoio que o PSD acaba de formular à candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa, que também será acolitado nessa empresa pelo Portas e o seu PP. Ora, há dois anos, na moção que Passos Coelho levou ao XXXV Congresso do PSD, traçou com clareza o perfil do Presidente da República que pretendia: um candidato que não fosse um “protagonista catalisador de qualquer conjunto de contrapoderes ou um catavento de opiniões erráticas”. Toda a gente percebeu que o cata-vento visado era  Marcelo Rebelo de Sousa, o putativo candidato.
A verdade é que Passos teve que engolir o cata-vento e criar uma realidade outra, sem ventos nem adamastores. E tudo isso foi agora materializado, um e outro fingindo que o vento fora sempre de feição e nem bulira em qualquer cata-vento. Na entrevista que concedeu ao "Público", o jornalista perguntou a Passos:
-- Mas Marcelo Rebelo de Sousa não é o seu candidato...
Responde:
-- Pelo contrário, Marcelo Rebelo de Sousa será, por proposta minha, o candidato que o PSD espera ver como Presidente da República.
O jornalista volta à carga:
-- Mas foi um candidato que se impôs, porque na sua moção de estratégia havia uma parte que até o próprio entendeu que lhe era dirigida, como sendo contra a sua candidatura... (era a questão do cata-vento...).
Responde angelicamente Passos:
-- É verdade que ficou a ideia de que a moção de estratégia podia ser contra o doutor Rebelo de Sousa, porque o doutor Rebelo de Sousa, porque o doutor Rebelo de Sousa achou que era.
Querem melhor exemplo de hipocrisia! Achou o Marcelo e achou toda a gente. E é por isso que o apoio de Passos é um pouco envergonhado. E Marcelo a última coisa qu quer é vê-lo na sua campanha. Longe da vista e longe do coração. Venham de lá apenas os votinhos!

Sem comentários:

Enviar um comentário