quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

UMA VACA SAGRADA NAS PRESIDENCIAIS

Não haverá, provavelmente, outro país do espaço europeu, que suportasse uma Informação tão manipuladora, às vezes a roçar o provincianismo mais idiota que se pode imaginar,  na narrativa que é produzida sobre as eleições Presidenciais. As televisões olham para Marcelo Rebelo de Sousa como se fosse uma vaca sagrada a atravessar uma rua de Nova Delhi, com uma reverência que não tem outro sentido senão inculcar subliminarmente a ideia de que as presidenciais estão antecipadas decididas, Presidente só há um, o Marcelo e mais nenhum...
Na construção deste cenário, a imprensa e algumas sondagens encomendadas (que se dão ao luxo de transferir o eleitorado comunista para as hostes marcelistas!) também vão ajudando à missa, em subtis ausências informativas, como se, por exemplo, o meu candidato, Sampaio da Nóvoa, praticasse falta de comparência, quando, ao invés, ele se desdobra em acções de campanha pelo país.
O expoente máximo desta descriminação aconteceu com as entrevistas, na SIC, feitas a Marcelo Rebelo de Sousa e a António Sampaio da Nóvoa. Para o primeiro, a estação televisiva deslocou-se à Faculdade de Direito e o cenário de fundo era um enorme quadro com os doutores da Casa, onde não devem faltar, por certo,  bons facínoras  dos tempos de Salazar e Caetano! Tempo da entrevista: 43 minutos! (E eu a pensar: mas não foi Sampaio da Nóvoa que foi Reitor da Universidade de Lisboa?) A entrevista a Sampaio da Nóvoa foi democraticamente no estúdio da SIC, só com uma diferença: demorou metade do tempo, durou apenas 23 minutos... Isto não é apenas uma vergonha para um órgão de comunicação, é a definição de um propósito manipulador e mistificatório.
Vai assim o espectáculo da narrativa das eleições presidenciais, seja Deus louvado!, como na cantiga de Adriano. Marcelo balança a sua condição de vaca sagrada. A Informação faz-lhe vénias. Há, todavia, nesta história, um pequeno problema: a consciência é que determina o voto, e o Homem, como no poema de Brecht, pode amar e pode matar. Mas tem um defeito: pode pensar...

1 comentário:

  1. Esopo falava da corrida entre a lebre e a tartaruga. A vêr vamos...

    ResponderEliminar