quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

AQUELE QUE FAZ A DIFERENÇA

Sampaio da Nóvoa na visita à fábrica de Paulo de Oliveira, na Boidobra
E com o General Ramalho Eanes na visita à Centauro, em Castelo Branco
Sampaio da Nóvoa dividiu ontem o seu calendário eleitoral entre o distrito de Castelo Branco e o Alentejo. E o dia começou cedo, na Covilhã, com a visita a uma das unidades fabris de Paulo de Oliveira, a fábrica situada na Boidobra. Habituado a visitas eleitorais, sobretudo quando elas pontuam a geografia do Interior do país, e as situações vivem, sobretudo, dos holofotes das televisões, Sampaio da Nóvoa utilizou uma prática de novo tipo, num contacto com a realidade empresarial que foram importantes momentos de conhecimento. À explicação sobre a história e o mérito da empresa, leader no mercado externo em alguns segmentos de produção -- as empresas de Paulo de Oliveira, mesmo quando a regra era dominantemente tradicional, rasgaram sempre horizontes de inovação e modernidade, qualidades que hoje lhe conferem um lugar destacado no panorama industrial português. Sampaio da Nóvoa somou a esse conhecimento uma relação próxima com a empresa, um mundo que, na cidade da Covilhã, que já foi a "Manchester portuguesa", tem uma dimensão matricial e identitária, e Sampaio da Nóvoa aproveitou para aprofundar o conhecimento, colhendo informações, detendo-se junto dos operadores das máquinas pesquisando a especificidade dos trabalhos. É essa particularidade que aproxima Sampaio da Nóvoa do país real, virtualizando o sucesso de projectos que, ao longo do tempo, se afirmaram no tecido nacional.
A mesma coisa aconteceu em Castelo Branco, onde decorreu a visita à Centauro, empresa que produz refrigeradores, com alta presença no mercado internacional, criada pelo senhor José Henriques que, aos oitenta anos, mostra o orgulho da obra realizada. O general Ramalho Eanes, que se juntou a Sampaio da Nóvoa nesta visita, lembrou que inaugurara esta empresa em 1982, como Presidente da República. Eanes sublinhou a capacidade do empresário que edificou a Centauro e disse mesmo, numa alusão à boutade de Marcelo, quando disse que Sampaio da Nóvoa queria ir de soldado raso a general, que o antigo Reitor "já é um general". E deixaria ainda uma mensagem: "Conheço o professor Sampaio da Nóvoa há bastante tempo. Conheço a sua biografia. Entendo que é um homem que conhece muito bem a História. E que percebe muito bem por que é que Portugal entrou numa situação de “eclipse” como dizia [António] Sérgio. Naturalmente, conhece o Mundo e o país e sabe como podemos sair daqui. É um homem de missão mas é um homem normal, igual aos outros. É excelente na sua profissão. E sabe que só é possível modificar a economia de um país com inovação, conhecimento, através do ensino".
Sampaio da Nóvoa, como fizera na Covilhã, visitou demoradamente a empresa, guiado pelo engenheiro António Granjeia, e também aqui quis saber tudo sobre os diversos passos de uma produção com tecnologia de ponta.
O dia começou bem. Sampaio da Nóvoa partiu para o Alentejo caracterizando mais tarde este dia como um dia de "bons exemplos". O candidato e a comitiva não escondiam a sua confiança. "Isto vai!". A segunda volta está mais próxima. O sol brilhava e aquecia o coração de todos.

Sem comentários:

Enviar um comentário